Presentes para a fofaiada

É gente, natal tava chegando e eu anda estava numa indecisão se deveria comprar presentes para fofaiada nova ou não. Daí eu fiquei naquela, porque comprá-lo? Porque não comprá-lo? Porque comprá-lo? Porque não comprá-lo? Comprei-o-o-o!

"Aceite, é de coração, sem o menor interesse..."

Mas antes de sair giletando cartão e gastando a torto e a direito com a fofaiada quero dizer que eu fiz tudo friamente calculado e ainda contando com a possibilidade de não ganhar nada em troca.

Sei lá, eu tinha essa impressão de que não iria ganhar nada ou que iria ganhar algo bem vagaba. Cogitando seriamente essa possibilidade, eu coloquei um preço ridículo para a “lembrancinha” que eu ía dar pra cada um: 5 Obamas. Sim, Tio Patinhas mode on!

E lá fui eu na minha querida Target achar qualquer coisa nesse preço esdrúxulo que eu estipulei. Aí gente, não tava muito preocupada com isso não, sinceramente, porque já aprendi como as coisas funcionam aqui. Americano não liga muito pra presente, tipo eles tem tudo, e dai é só uma tranqueira a mais, acho que isso é meio cultural, sei lá.

Amo!

E como eu ainda não tava certa se iria ganhar qualquer coisa de volta (espírito capitalista ligado no máximo) eu também queria perder menos dinheiro possível com essa brincadeira. Afinal, eu comprei mesmo só por comprar, pra não ficar feio.

Antes disso, foi aniversário do meu moleque e eu fiz questão de dar um presente na frente dos país, meio que pra mostrar aqui óoo eu me importei eu poderia estar por aí roubando mas fui lá na loja e comprei um presente. Imaginem que também darei pra vocês. Ou pelo menos eu tinha achado que tinha deixado a mensagem clara.

E lá fui eu na target (só vi depois que já tinha dito isso mas agora foi :P) atrás de qualquer coisa de 5 dolares. Para o moleque foi fácil. Agarrei qualquer brinquedo nesse valor. Pra fofa eu tive que extrapolar um pouco, meio a contragosto, e comprei uma lanterninha (sei lá como se dá o nome daquilo) para e-reader. Eu não tinha achado nada pra ela e, pelo menos, isso tinha a ver com nossas últimas conversas sobre Kindle X Nook (pra mim o kindle ganha, mas sou suspeitíssima pra falar).

O problema foi o fofo. Eu não tinha menor idéia mesmo. Rodei a target umas três vezes e nada. Até que achei uma sessão de coisas para dar para homem, Achei bem sem graça mas né, já não tava mais com saco, e comprei uma espécie de canivete suíço, sabe qualé?

Foi o que a minha imaginação e pão-durice permitiu comprar

E daí foi só comprar o embrulho, na target mesmo, na sessão de 1 dollar. Done and done!

Me arrependi de ter dado esse do Snoopy aí. Queria ter ficado pra mim ¬¬

Depois me arrependi, podia ter comprado um vinho de 10 dolares para eles dois, ter colocado um laço, mas aí quando eu tive essa idéia eu já tinha comprado essas tranqueiras. Então vai ficar aí só de sugestão para vocês.

Bom, essa parada de presente vai de cada um. De família pra família. Minha amiga que tava comigo por exemplo gastou uns 20 dolares com cada membro da família, e ela toma conta de 4 crianças. Ela morria de rir da minha mão de vaquice, mas vá lá…

E fiquei feliz, pois no final eu tava certa. Os “presentes” que eu ganhei estavam super compatíveis com os que eu tinha dado, como já comentei aqui. Nem fiz vergonha. Alias, quando eu abri, me senti bem no leste europeu aonde as pessoas te presenteiam com cesto de roupa sujo de aniversário.

beijos pra quem fica galera!!

Ps.: amigas au pairs, parem de me contar o que vocês ganharam (principalmente as dos gift cards). Sério, tá me batendo mais revolta ainda 😛

Anúncios

Vinte e cinco de dezembro de dois mil e onze

Mas antes de falar como foi o dia 25, começarei contando sobre o 24 (só pra ter uma coerência)

Uma das coisas que mais me animou quando fiz o rematch foi poder ir morar na casa de uma família que tivesse natal. Queria saber se o natal era como nos milhares de filme que a gente tá careca de ver nas sessões da tarde da vida. E pra minha surpresa e felicidade foi sim.

No dia 24 começou os preparativos: arrumar a casa, colocar os pratos chiquetê na mesa de jantar, começar as preparações dos quitutes. Pra dizer que eu não ajudei, eu cortei uma cebola pra fofa. Como a minha parte eu tinha feito na sexta (deixar o meu banheiro que é o mesmo do kid limpo) eu tava off e de bobeira no sábado.

Dei um pulo na target básica pra fazer as compras dos snacks da semana (sempre tenha comida estocada no seu quarto, anota isso aí aspira) e dar um rolé. Quando voltei a gente ficou só hang out lá em baixo. Fofo pra variar colocou o som do basement ao máximo (aqui só da hip hop) e a casa toda sacudindo.

De vez em quando eu retirava a minha pessoa lá pra cima rapidamente pra devorar qualquer capitulo da biografia do Steve Jobs (esse livro tá fazendo o inferno na minha vida) mas sempre mandava aquele pra fofa: mas ó, se precisar só me chamar.

E qual não foi minha surpresa quando peguei lá a fofa concentradíssima lendo a biografia do tio Steve no Nook dela. Acontece que eu atazanei tanto a vida dela falando desse livro que pimba, ela acabou comprando pra ler também. Beleza passamos horas e horas falando do livro.

Mais a tarde a gente alugou algum filme de natal pra assistir: aquele do Grinch qualquer coisa que roubou o natal. Eu nunca tinha assistido e achei bonitinho. Mas para o dia seguinte, a gente iria ver “A Cristimas Story” que tava dando direto na TBS.

Beleza, anoiteceu e meu moleque colocou o pijama especial dele de natal. Sim, aqui é muito comum você passar natal de pijama. Porque a comemoração mesmo é no dia 25, na véspera não teve nada demais.

Ele colocou o pijama e adivinhem? Ele deixou o cookie e leite para o papai noel (que já tinha deixado vários presentes na árvore, mas criança né, a gente inventa um caô e eles caem) e foi dormir todo ansioso, porque aqui a troca de presentes é só  no dia seguinte.

Enquanto isso, eu fiquei esperando dar meia noite no Brasil e passei a virada com minha família no skype. Sério, que sensação boa, amei! Enquanto não inventarem o teletransporte, o skype é vida!

skypeando com a família de verdade

Dia seguinte, claro, o moleque num pique só me levanta as 6:30 da manhã e sai correndo para ver o que papai noel tinha deixado pra ele na árvore. Criança tem umas tiradas né, pausa pra eu contar a do meu moleque:

Meu moleque: -Luna, você não fala que é feio a gente desperdiçar comida?

Eu: Sim moleque, não é legal mesmo não porque nanana ( e toda aquele blá blá blá que a gente dá na criança nessas horas)

O moleque: Ahh mas papai noel não comeu a comida toda que deixei. Eu deixei quatro cookies e ele comeu só dois.

Sério, mesmo que ele foi observar isso?!! Ai seguiu-se aquelas trocas de sombrancelhadas minhas pra fofa.

Eu: é moleque, é muita criança deixando cookie né? Vamos comer o que ele deixou e no próximo natal a gente deixa um cookie só.

Muito bem. Na verdade eu desci mais tarde, umas 9. Quando eu desci ele já tava lá todo empolgado pra me mostrar o que ele tinha ganhado. Foi nessa hora que ele me mandou essa pérola dos cookies.

café da manhã especial de natal ( Um Eca gigante pra essa gororoba branca aí)

Aí fofa veio, deu para meu moleque o pacote que ele deveria dar pra mim. Abri, me decepcionei agradeci.. e vamos pular essa parte dos presentes pra não bater uma revolta.

Enfim, fui lá em cima e trouxe os meus e dei pra cada um. Sabiamente eu tinha comprado tudo baratinho e não coloquei na árvore (em caso de não receber em nada, vai saber né) então nem fiquei com vergonha dos presentes que comprei pra eles. E feliz de não ter gastado muito (vai ter post falando dos presentes do post, podem deixar).

Ahh e antes que falem que espírito natalino é esse o meu? Bom, meu espírito natalino eu deixei no Brasil junto com a família de verdade. Porque aqui eu sabia que iria ser diferente, com gente estranha, então não tava afim de ficar toda trabalhada no espírito natalino e bater uma melancolia. Tava mais no espírito curioso mesmo pra saber qualé da parada, quase que um experimento comportamental.

Vamos também pular a parte em que eu fiquei babando pelo Ipad novo que fofo ganhou e tava lá todo faceiro em cima do sofá.

Ficamos escutando canções natalinas e deu a hora da gente ver o filme qua tínhamos combinado.

De tarde chegou a família da fofa. Eu tava aqui em cima e quando ouvi o burburinho de gente chegando fiquei com vergonha master de descer. Fui tomar um banho pra trocar de roupa e meu moleque veio me chamar.

Eu que já tava com fome mesmo tive que colocar a vergonha no bolso e descer. Aí já vi logo a fofa que saiu me apresentadoa todo mundo, fofo me mostrando o refrigerante (ninguém mais bebe refrigerante na casa, só eu) e outras pessoas vieram se apresentar.

Sentei na mesa principal aonde tavam as mulheres e PUFT quando eu vi já tava lá mega matraquiando com a família inteira.

Meio que já tava me sentindo em casa. Até porque me lembrou muito minha família: a mesa das mulheres, a mesa das crianças, os homens no porão tudo gritando vendo futebol (só que americano). Galera relembrando tempos passados, contando causos e fofoca de família. Como uma família normal qualquer.

a árvore de natal embaçada e montada por mim

Legal que eles tavam mega curioso pra saber da onde eu vim, pra onde eu vou. Conversei muito, dei muitas risadas. Fui convencida a comprar um Macbook, Ipad e iphone desbloqueado. Quase me convenceram a devolver meu Kindle também.

Foi uma noite muito divertida e eu gostei muito da ter passado natal com a minha hostfamily. Foi uma experiência bem legal.

Só senti falta da comida né, porque te contar que dei umas besliscadas na comida e nem tchum…. e PQP, torta de abóbora é muito ruim!

É isso galera. Eis o relato do natal que deveria ser branco e não foi. Essa foi a minha única decepção( depois da comida é claro) não nevou. Saco! Esse tempo tá de sacanagem comigo. Como assim neva no Halloween e não neva no natal?

Beijos pra quem fica!!

Ps.: Se você tem uma família bacana, acho que vale a pena o esforço e passar o natal com eles. Faz parte da experiência 😀

Merry Xmas!!

Post fofinho do dia o/

Apesar do ‘chega-pral”á que tô dando no natal esse ano, umas semanas atrás eu fui na peça de natal do meu moleque da escola dele (quem me segue no twitter viu, é aqui ó @lunacfc).

Fui meio que de má vontade porque né, a gente tinha acabado de chegar das Carolinas depois de 8 horas de viagem e no dia seguinte eu ainda ía rumar para NY. Mas aí ele ficou meio decepcionado que eu não ía e então resolvi ir e fazer essa boa ação do dia.

olha aí, em Broadway style

Até que foi legal, me surpreendi. Fui super achando que seria aquelas peças da minha época e tal, cara, que coisa mais profissa. Me senti vendo um espetáculo de Glee. Tá não é pra tanto, mas putz a criançada canta mesmo, teve uma menina que mandou uns agudos que pensei essa aí vai para o American Idols, certeza.

Um dos cenários

Enfim, como eu já tava lá eu gravei um pouco das musiquinhas. Musiquinhas clássicas que a gente até conhece, mas na nossa versão em português como “Noite Feliz” que inglês fica “Silent Night”.

O vídeo ficou super bonitinho, deixei as melhores músicas e tal mas ó, já vou avisando, ficou um pouco grande. Super entendo se vocês não tiverem paciência de assistir.

Fora que a qualidade está péssima graças a minha excelente…NOT câmera de fotografar.E ainda teve um tiozão careca bem em frente aonde eu tava, mas deixa quieto.

Eu deixei as musiquinhas curtinhas, só deixei inteira as duas últimas que é quando todo mundo se reúne e o auditório inteiro acompanha a criançada cantando.

Fiquem então com o vídeo e os meus mais sinceros feliz natal!! 😀

Pra quem quiser me mandar presente, só avisar aí nos comets…. sacanagem gente 😛 (mas se quiser pode mandar tá :P)

Beijo pra quem fica galera OH OH OH

Natal e o campo de distorção da realidade

Final de ano chegando, natal aí de cara e eu nem vou comentar o quanto eu amo essa época de natal gente porque não deve fazer bem lembrar dessa data agora. É querer convidar a nossa querida homescik pra uma visita, e né, ela nunca é bem vinda.

A Lcc ficou repetindo toda hora de como essa época é difícil para algumas au pairs (inveja nas indianas que nem sabe o que é natal) porque eu sou daquelas que ama natal, não sou religiosa, mas gosto da decoração e nananã. Gosto de ver as luzes pela cidade, os enfeites everywhere, as preparações e claro, poder passar um tempo legal com gente querida. Gente querida mesmo, tanto é que as minhas comemorações em casa costuma ser restritas. Bem restritas.

Sou eu a louca dos enfeites lá em casa. Colocava pisca pisca pela casa toda (e eu prefiro as brancas daquelas coloridas), organizava as “brincadeiras” e claro, meu xodó era a árvore de natal. Fora, que sei lá, a gente tem uma vida tão ocupada mal tem tempo de dar um telefonema ou passar tempo com as pessoas, então legal já ter essa data específica que todo mundo tira pra fazer isso.

Ano passado eu ficava falando, me aproveitem bem (frase solta) porque vai ser último ano comigo aqui no natal (fazer drama, sou dessas).

Esse ano vai ser tão diferente. Pra começar montei uma árvore de natal de verdade. É um pinheiro de verdade, vire e mexe eu vou lagar regar a árvore. Fora que eu que montei ela porque comentei com fofa que eu amava fazer isso e ela me liberou.

Mas não adianta. Não é a mesma coisa. Não é a mesma empolgação. Eu olho as casas lindamente iluminada e enfeitadas (aqui é um espetáculo) e meio que esqueço que estamos quase na véspera de natal. Tá passando tudo batido.

Na verdade, é proposital. Como minha Lcc ficou enchendo o saco dizendo que essa época era uma época muito difícil para as au pairs, eu , que já tive minha dose cavalar de hard time em terras americanas, resolvi lidar com essa época problemática no melhor estilo Steve Jobs (gente tô obcecada, não consigo para de ler o livro sobre a vida dele), usando o campo de distorção da realidade.

O campo de distorção da realidade, começou como uma brincadeira dos engenheiros que desenvolviam o Macintosh nos primórdios da Apple (lá pelos idos de 1982). A expressão foi tirada de um episódio de Star Treck e foi usada pra ilustrar a forma como Steve Jobs consegue distorcer a realidade e convencendo as pessoas a fazer o que ele quer. E claro, ele usa isso principalmente com nós consumidores, pois ele consegue criar necessidade de coisa que a gente nem sabia que precisava como ninguém (alguém aí precisava de um tablet touchscreen há 4 anos atrás, pois é, daí veio o Ipad e o resto vocês já sabem…).

Tio Steve ativando seu campo de distorção da realidade

Enfim, o campo de distorção da realidade também serve pra você apagar da sua vida aquilo que você não quer lidar. Daí você distorce a realidade em volta de você e  PUFT o problema vaza. Steve Jobs fez isso com a filha dele que ele teve e não quis assumir) e eu fiz isso com natal.

Pra não ter que lidar com toda essa carga de natal eu simplesmente apaguei natal da minha mente. Sério, achei que iria ficar chateada e tal, mas nem tô (Tô nem aiiiii, tô nem aiiiii). Me desapeguei (temporariamente) do natal completamente. Tá tudo meio que passando batido e tô ficando até meio irritada em certo ponto porque… ai gente vou mudar de parágrafo que essa tá ficando muito grande (professores de português tendo enfarte agora em 1…2..)

Então, até fico irritada com toda essa overdose natalina que tô recebendo. Todas as lojas tocam músicas natalinas over and over again. Juro que não aguento mais ouvir a Maryah Carrie berrando “all I want for Xmas is youuuu” ou John Lennon com o seu “And so this is Xmas… (e podia ser pior, podia ser a Simone cantando “Então é natal…”).

Prevenida que sou, já entrou em tudo quanto é lugar de fone de ouvido.  Tenho sempre um nerdcast ou um MRG pra me livrar dessa vida de forever alone e não ficar deprê com tanta música de natal. E tô sempre preparada pra mudar estação de radio quando entra um musica de natal from hell.

Valeu Jack por roubar o natal =P

Para os curiosos de plantão… bom passarei o natal aqui com a família. Vai ter uma penca de gente aqui e tal, tem ceia mas natal aqui é diferente. Nego não se arruma, você coloca uns pijamas e tal (conto depois como foi). Vai ter também um monte de gente que não conheço posso até imaginar, deslocada e inadequada mode on!

Mas tá tranquilo. Assim que puder rapo aqui pra cima e vou skypear com a família de verdade.

Claro que da família de verdade a gente nunca esquece. Fiz uma caixa bem legal e enviei e olha que coisa linda, chegou em tempo. Só esqueci de tirar foto. Não tinha nada demais, mas como sou eu que compro todos os apetrechos natalícios em casa eu resolvi mandar uns daqui com guardanapo decorado, uns     embrulhos lindão pra colocar na árvore, roupinha de natal para minha almofada quente delícia (minha cachorra), um enfeite de natal da starbucks coisa mais mimosa do mundo e essas coisinhas. E pronto, fiz minha presença em terras tupiniquim.

Nem sei porque tô contando tudo isso. Falta de assunto, será? Mas enfim, pra quem quiser saber como uma au pair lida com a época dos holidays, bem as outras eu não sei, mas eu tô usando o campo de distorção da realidade e tá funcionando muito bem.

Aliás eu já tinha usado antes e obtive um resultado muito positivo. Quando convenci eu mesma (e os outros) de que eu podia dirigir carro sem nunca ter andado a mais de 25 Km/h. Eu passei tão bem a imagem de boa motorista que minha outra família, mesmo fodendo com meu perfil, colocou que eu era excelente motorista.

Com todas as famílias que conversei mandavam um, mas vejo aqui que você tem ótimas recomendações quanto a sua direção. Então tá. E eu aprendi a dirigir aqui. Só não me dêem um carro com marcha gente, vai ser uma desgraça, vou cagar tudo. E não tentem fazer isso em casa, não é seguro 😛

É que custo acreditar que há uma ano atrás eu não tinha carteira e não dirigia nada. E hoje eu ando numa estrada a 120 Km/h. Gente que horror, eu dando má exemplo. Again, não tentem isso em casa 😛

A única coisa que tá faltando é a neve, queria que tivesse neve no natal só pra ficar igual nos filmes.

E para o ano novo? Esse eu tõ mega animada. Tenho altos planos com uma galerinha do barulho. Desde já começamos a novena para rezar por um tempo bom, que não caia a 32ºF e não neva (porque aí bagulha tudo).

Mas um post sem noção gente. Constatei que esse blog já tem 10 meses, deve ser isso. Tô ficando sem assunto. Vou começar a colocar umas receitas aqui pra encher linguiça 😛

Beijos pra quem fica e amanhã ainda tem post (e é mega fofinho) 😀

 

 

 

Indique o seu endereço de email para subscrever este blog e receber notificações de novos posts por email.

Junte-se a 38 outros seguidores