The journey is the reward: 6 months in the USA!

Fiquei duas horas esquentando o cérebro pra ver se esse post conseguia sair. Não sabia se deveria ser reflexivo ou uma junção de bobagens filosófica mais conhecida popularmente como filosofia de botequim. Comecei a escutar um pouco de Bob Dylan pra ver se a inspiração vinha e nada (quem me segue no twitter percebeu, tô aqui ó @lunacfc).

Bobeou, dançou, você pisca e 6 meses passaram voando por você. E o que eu tenho pra falar sobre isso? Sei lá, que foi rápido demais, mas ao mesmo tempo que olho as fotos do treinamento parece que foi há bilhões de anos atrás.

Aquela pessoa inocente, mal esperava que a caminhada seria muito mais difícil do que se esperava. Que passear por NYC teria um custo enorme de 5 dias completamente sem vida, limpando muita bunda de criança e esfregando muito chão (só pra avisar que quem vem como au pair vem sem glamour nenhum, se você tá achando que vai vir de princesa, pode tirar o pangaré da chuva).

Só pra você não dizer que ninguém nunca te avisou que não seria fácil (apesar de eu não ter certeza se vale a pena também). Ai que horror, era pra eu tá aqui mega melosa sobre meu aniversário de “cheguei na metade do percurso” e tô aqui super desencorajando o povo. 😛

Liga não gente, eu sou uma reclamona de marca maior. Vem prá cá sim, morar na casa de gente que você nunca viu. Vem galera, aturar criança birracenta, trabalhar pra cacete, ganhando pouco, esfregando chão, arrumando quatrocentos mil vezes aquele play room porque logo em seguida a kid vai zoniar tudo de novo, limpar banheiro mas óhh tudo em inglês. Óh que chique!

Aí você coloca meia dúzia de fotos de Manhattan no facebook pro povo achar que você tá só no glamour aqui 😛

Eu nem acredito que tô nisso tem 6 meses e pior ainda é saber que ainda restam mais 6.  Porra, mas eu já falei isso. Cara que falta de inpiração!

Vamos lá: 6 meses e nem um pouco mais sábia. 6 meses e ainda tenho um monte de assuntos inacabádos comigo mesma a serem resolvidos que eu, na minha santa inocência (ou preguiça) achei que eles se auto resolveriam mudando de país.

foto aleatória da times pra quebrar post grandão =P

Não,não resolveram, vieram todos comigo escondidos na bagagem. Continuo paciência zero, ainda meio intolerante , ansiosa e insône mais do que nunca.

Tá, mas me forçando a adotar um comportamento um pouquinho mais positivo para fazer essa analise tão profunda do meu ser, eu também pude conhecer NYC, pessoas legais, fazer compras (depois de ficar 1 ano sem comprar um brinco), estudar (apesar de achar que o curso poderia ser bem melhor) e o que mais?

Ah! Também aprendi a engolir muito sapo. Ô, já posso até fazer um livro de culinária. As vezes engulo sapo frito, ensopado, assado. As vezes de canudinho, as vezes sopa de brejo e por aí vai…

Entre coisas boas e ruins, muita coisa aconteceu nesse tempo e pra ajudar a resumir, aqui vai uma lista básica do que rolou na minha vida nos últimos 6 meses.

– andei de avião pela primeira vez

– aprendi a dirigir

– me arrependi de ser au pair

– senti saudades como ninguém

– joguei boliche pela primeira vez (sou criada em cidade grande mascom uma alma de caipira inacreditável)

-conheci gente maravilhosa

– também conheci gente não tão maravilhosa assim

– aprendi a gostar de tequila

– aí tomei um porre de tequila e voltei carregada pra casa

– comprei na Forever 21 pela primeira vez

– tive rematch e troquei de família

– quis desistir do programa

– não consegui me tornar uma pessoa paciente

-me encantei por NYC milhões de vezes

– continuo sem saber fazer baliza

– fiquei doente e tive o dia descontado por isso (porque eu só me fod*, sempre!)

– consegui ler 1 livro inteiro

– conheci o frio de -11ºC

– coloquei a mesa de jantar da outra família e lambi os garfos só de pirraça (maturidade zero)

– encolhi um pijama na secadora

– consegui mais ou menos planejar meu futuro (só umas 400 vezes)

– comprei uma bota pela primeira vez

– na empolgação, comprei mais três

– passei a andar de moleton e descabelada pela rua

– não tirei férias

– Limpei muito chão, aspirei muito carpete,arrumei muito quarto, esvaziei dishwsher como ninguém, limpei muito banheiro e usei windex quase todos os dias (mas tudo em inglês!)

– o inglês até que deu uma melhorada ( o que vivendo como au pair é dificil já que na maioria do tempo você tá interagindo ou com a pirralhada ou com os produtos de limpeza da casa)

– ganhei um abraço do carinha da placa “Free Hug” em NYC

– coloquei durex nas calças pra simular que tinham bainha

– aprendi a viver sem feijão

– Consegui levantar sozinha uma mala de uns 5o Kgs

– Usei batom vermelho pela primeira vez

– Aprendi a colocar gasolina no carro (maioria dos Estados não tem frentista)

Já tenho emprego garantido no Brasil: frentista

– lógico, tomei banho de gasolina na sequencia

– dei muitos tchaus, mas o mais doloroso de todos foi quando me mudei de Chappaqua pra New Jersey, sem dúvida.

– cruzei um estado sozinha e dirigindo 😀

– joguei golf

– tive certeza que não quero ter filhos

– comprei uma headband tipo a da Blair Waldorf (Gossip Girl, xoxo baby :*) com maior laçarote mas que fiquei sem coragem de usar

Blair: a musa dos headbends

– tentei desencravar minha unha e quase precisei de transfusão de sangue por conta disso

– cansei de ser au pair (de novo)

Tá bom né? Foram 6 meses bastante agitados, bastante intenso. Acho que envelheci uns 200 anos. Pra piorar, achei dois fios brancos na cabeça, não um mas DOIS. Quero saber só quem vai bancar minha fonte da juventude depois que essa brincadeira acabar.

Mas enfim, para os próximos meses eu espero poder viajar, tirar férias e me estressar menos. Ah! E aprender a estacionar o carro decentemente, claro.

Gente, ainda não sei se nada disso valeu a pena, se tá valendo ou se vai valer, mas como diz o título lá de cima, a jornada é o prêmio, então vamos esperar e ver aonde isso vai dar (no manicômio pelo visto :P).

Brigada todo mundo pela força, desculpa aí se eu acabo desencorajando os aspiras, mas pra me redimir, ó, quem tiver dúvida de alguma etapa de processo e tal, só deixar aí nos comentários, eu super topo ajudar.

Em assuntos de rematch já virei especialista 😛

beijos pra quem fica!

Ps.: Final do mês é meu niver e segundo os astrólogos eu estou no meu inferno astral. Não acredito em signos e nada disso, mas é uma boa desculpa pra eu poder ficar mal humorada a vontade e ainda posso culpar os astros. Até o final de Janeiro, você vão ter que aturar uns posts meio ranzinzas 😛

Ps2.: E vocês concordam que a jornada é o prêmio ou acham que é só mais uma hiponguice tirada lá dos buracos da India?

Anúncios

T.V. Au Pair em: 6 meses de USA

Bem amigos da Rede Globo!!

Chegando na metade do caminho dessa vida auperiana com tantos autos e baixos eu me sinto assim (toca a vinheta do Rocky Balboa no fundo):

muitas emoções pelo caminho

Mais uma vez vale lembrar, só quem já foi au pair sabe como é difícil chegar até aqui. Tô me sentindo uma vitoriosa, porque quando eu cheguei em Terras daquele cara com o poderoso Stick, achei que não iria conseguir passar pela primeira semana, e agora estou aqui, com metade do caminho percorrido… high five o/

Vou fazer um post falando sobre os 6 meses de USA (eu comecei mas ficou uma bosta daí vou fazer de novo), mas como aperitivo eu fiz um vídeo com um resumão do que foi essa primeira metade da minha vida de limpadora de bunda de criança.

O vídeo saiu sem querer, tava aqui olhando um monte de vídeos picadinho que fui juntando durante esse tempo, e pensei eu nunca vou ver isso na minha vida, dai coloquei tudo junto,uma grande compilação e taquei uma música por cima, e o resultado foi esse, confiram aí 😀

Sobre a música, ahhh muito ESSE DOIS ESSE DOIS para essa música gente. Ela tem uma letra mega bonitinha que tudo tem a ver com nós au pairs ou qualquer outra pessoa que toma decisão meio doida e nada convencional na vida.]

Como diria o refrão: “Today is where your book beginsThe rest is still unwritten” (Hoje é onde seu livro começa. O resto ainda não foi escrito).

Pra quem curtiu a letra aqui vai ela na íntegra 😀

I am unwritten, can’t read my mind, I’m undefined
I’m just beginning, the pen’s in my hand
Ending unplanned

Starring at the blank page before you
Open up the dirty window
Let the sun iluminate the words that you could not find

Reaching for something in the distance
So close you can almost taste it
Release your inhibitions
Feel the rain on your skin
No one else can feel it for you
Only you can let it in
No one else, no one else

Can speak the words on your lips
Drench yourself in words unspoken
Live your life with arms wide open
Today is where your book begins
The rest is still unwritten

I break tradition, sometimes my tries, are outside the lines

We’ve been conditioned to not make mistakes
But I can’t live that way

Beleza gente, ainda vai ter post com resumão dos 6 meses (afinal é um marco :P)

E quem venham os outros 6 o/

Beijos pra quem fica!

Ps.: ainda não consegui criar um nome para os vídeos que coloco no blog, a doia sem imaginação: acho que vou criar o lunakitchen (uma variação de lunaoffice) já que na maior parte do meu trabalho eu passo na cozinha 😛

Ps.: Beijos pra Lígia e pra Dudoca, adorei o vídeo. Nem fiquei com inveja de vocês na piscina. beijoxxxxxxx e saudadexxxxxxx da carioca 😛

Ps2.; Eu sei que Rocky lutava boxe e não corria, mas eu associo essa música com qualquer coisa de esporte (eu e toda a torcida do flamengo).

Indique o seu endereço de email para subscrever este blog e receber notificações de novos posts por email.

Junte-se a 40 outros seguidores