5 aberturas de séries preferidas

Então, já que não sei quando poderei voltar aqui (Crap Vermont) resolvi ficar Wild e postar mais de uma vez no mesmo dia. Coitado de vocês pobres leitores que vão ter que aturar meu mimimi blá blá blá.

O post hoje não tem absolutamente nada a ver com ser Au Pair ou viagem ou algo do gênero. Explico: como estou isolada sem internet (ninguém mais aguenta esse meu mimimi) qual foi minha salvação? Meu HD lindão que meu irmão preparou pra mim (Thank you mano!!) e encheu de séries e filmes.

Nesse tempo que estou aqui, o único jeito de me livrar de um tédio sem precedentes foi mesmo colocando minhas séries favoritas em dia.

Daí, pensando nisso, eu resolvi colocar aqui as cinco aberturass de séries que mais amo. Tá, que mais amo também é um pouco de exagero, mas que gosto muito. São aberturas que nem me faz passar rápido que eu paro pra cantar a musiquinha junto 😛

Vamos a lista:

1- Everwood

Esse seriado foi o que me fez ter uma vontade incrível de conhecer Denver, Colorado (será que rola esse ano?). Conta a história de uma família que sai toda do centro de Manhattan para uma vilazinha perto de Denver depois de um desastre.

É uma história com uma pegada bem dramatica assim,então tem que está no espírito pra assistir. É meio antiga, passava na WB. Foram 4 temporadas sendo que a última passou em 2005 (salvo engano).

A abertura é  linda de viver e a música então nem se fala.

2- Gilmore Girls

Nossa, esse seriado foi daqueles que vi e revi milhares de vezes. Ficava sonhando em conhecer uma cidadezinha alá Stars Hollow e cá estou numa muito parecida.

Conta a história de uma mãe solteira que decide criar a filha sozinha. Nossa, com uma sinopse dessa nem eu assistiria. Apesar de ser levemente de mulherzinha, tem diálogos rápidos e inteligentes.  Foram 7 (desnecessárias) temporadas sendo que na última temporada a criadora saiu da série, ou seja, ficou uma porcaria. Terminou em 2007.

E eu nunca consigo parar de cantar a música de introdução depois que vejo a abertura. A música é da Caroline king e se chama Where you lead.

3- The Big Bang Theory

Mudando totalmente o tom das séries agora, vamos para a sitcom. vejo muita gente falar mal e acho muito injusto porque The Big Ban Theory me pegou desde o começo. Principalmente porque sempre andei com uma turma meio nerd e faziamos algumas coisasmuita parecidas com as que mostra na série.

Vejo também muita gente achar caricato demais. Mas claro que é né gente!! è televisão/entretenimento. Se fosse pra ser real, seria um documentário e não seriado. E por incrível que pareça, já vi muito jovem por aqui vestido daquela forma, viu?! Hoje em dia já nem acho mais tão caricato assim.

E a introdução tem a melhor música ever!! Minha frustração é não conseguir nunca acompanhar a letra. O seriado está na sua 4ª temporada, indo pra 5ª nesse ano.

4- How I Met Your Mother

Essa série é muito amor!

Teoricamente seria a história de um pai contando para os filhos sobre como conheceu a mãe. Na prática, é a vida de cinco amigos e seu dia-a dia.

A série está indo para a sua 7ª temporada, e ao que ouvi dizer, deve acabar na 8ª. Tomara, porque estão acabando com a série. Tem episódios muito bons, outros muito ruins (que me deixou até vontade de abandonar a série) mas dá para  o gasto. É super light, e dá pra acompanhar sem muito compromisso.

Fato curiosos meu (fofoca da minha vida agora) : assim que cheguei aqui eu não conseguia assistir How I Met your Mother porque sentia uma saudade de casa muito grande. Eu costumava fazer maratona dessa série com meu irmão e amigos em domingos chuvosos. Por isso rola uma nostalgia enorme.

Mas e a introdução? Super simples, rápida e cativante (cativante?! Tô ficando sem adjetivo mesmo…). Sempre que ouço a música me dá vontade de batucar (vai me entender :P)

5- Mad Men

Mad Men é série qualidade HBO, sabe qualé?! Impecável. A série começa no final dos anos 50 e retrata o dia-a-dia de uma agência de publicidade. Interessante que foca em vários temas daquela época como o papel da mulher na sociedade.

Outra coisa muito legal é que eles vão mesclando fatos históricos no meio da história da série como a campanha Nixon X Kennedy, a morte da Marylin, a primeira vez que o cigarro foi declarado prejudicial a saúde e outras coisitas mais.

Atenção especial para a ambientação e figurino. Os rapazes todos tem cara mesmo de homem de antigamente (homem com cara de homem e não essa boiolagem de cabelo Justin Bieber) e as mulheres são mais cheinhas (se não me engano, o manequin da Merylin era 42, obesa nos dias de hoje).

A série está no 4ª temporada acho, e deve ter ido pra 5ª (Tô com preguiça de googlar, tô com uma pressa danada para o post ir ao ar agora, então perdoa aê) e uma pena que por N motivos eu tenha parado na segunda. Mas pretendo voltar assistir (um dia).

Abertura é um espetáculo. Nem vou falar mais nada, assistam vocês mesmos.

É isso pessoas! Espero que vocês tenham gostado do post nada a ver com nada do dia.

Aproveitem pra me contar aí no comentário qual é a  abertura da sua série favorita 😀

Beijos pra quem fica!!

Anúncios

Irene Furacão

Se o nome do furacão fosse Hilda, o trocadálio ficaria tão perfeito 😛

Mas enfim, estava eu aqui super na dúvida se deveria escrever sobre o furacão Irene isso ou não. Então pensei, por que escrever? Por que não escrever? Por que escrever? Por que não escrever? Escrevi!!

Primeiro pra dizer que tudo está bem, que ao contrários das expectativas a Irene chegou sim aqui em Vermont. Fez muito estragos mas na cidade que estou não tanto. Chegou aqui em Manchester em formato de uma tempestade forte com muito vento.

O tempo mudou da água para o vinho e pra mim foi como estivesse no inverno no Rio, meus fofos riram de mim quando contei que era assim o inverno que eu conhecia. Me olharam com uma cara de você está muito fud$%#a quando o inverno chegar.

As estradas aqui alagaram, os rios transbordaram e um bebê urso foi visto rondando a vizinhança (apesar de tal fato nada ter a ver com a Irene, mas achei curioso retratar anyway) mas apesar disso, nada de grave ocorreu.

Também não houve nenhum alerta de evacuação aqui em Vermont, apesar de ter ouvido sirene o tempo todo em durante todo o Domingo. Estávamos (eu e a fofaida toda) num cinema assistindo Smurfs (uma merda-foda!!) e assim que o filme terminou o cinema foi fechado porque a sala que estavamos estava inundando (ó que beleza!).

Voltamos pra casa e por lá ficamos. A ordem era carregar celular e todos os eletrônicos porque existia uma grande possibilidade de ficarmos sem energia. o que de fato aconteceu, de noite ficamos sem luz mas ela até que voltou rápido, no dia seguinte, lá pra 11 horas da manhã. Ufa, ía poder fazer café, um problema a menos (porque sem internet, sem luz e sem cafeina não dá pra viver né gente?!).

De manhã já podia se ouvir o barulho das maquinas trabalhando pra colocar as coisas no seu devido lugar. Pais civilizado é outra coisa.

Em Abril de 2010 teve uma mega tempestade no Rio de Janeiro (lembra não? Então clica aqui!), e foi enchente pra tudo quanto é lado (enchente pra você, enchente pra sua vaca) os estragos foram imensos. Depois de um ano ainda muita coisa não estava no lugar. Um morro inteiro veio a baixo milhares de pessoas morreram (tá, milhares também é exagero) fora que nenhum alerta tinha sido emitido de modo que quando a tempestade chegou, pegou todo mundo desprevenido.

Olha que foi só uma tempestade, nem chega perto de um furacão. Mas voltando ao assunto…

Aqui todo mundo se preparou para quando a tal da Irene fosse chegar. Em NY as pessoas compraram velas, comida e gasolina aos montes. Aqui em Vermont o impacto foi bem menor, o maior estrago (depois de algumas estradas inundadas) foi no sistema de tratamento de agua. Sei lá o que atingiu os canos e ficamos proibidos de tomar agua da bica, tinha que ferver antes.

aletra de evacuação em NY

Vários estabelecimentos acordaram fechados no dia seguinte, seja pela falta de água ou pelo fato dos funcionários não terem conseguido chegar ao trabalho.

Minha preocupação maior estava toda voltada em NY. Fizemos uma corrente por celular pra saber como as coisas estavam lá por Westchester. Como eu moro no porão estava meio desesperada preocupada em saber se iria chegar com as coisas todas no lugar. Meus fofos me garantiram que sim, porque a casa fica num topo então a tendência da água é escorrer pra baixo. Então tá.

Eu sei que por lá, muitas árvores cairam, casas estão sem luz até agora (minha amiga é uma delas) e inclusive essa amiga minha ficou presa na casa porque uma árvore caiu e bloqueiou a passagem. Fora que inumeras estradas ficaram inundadas o que ilhou muita gente também.

Fofos entraram em contado com os vizinhos e eles asseguraram que estava tudo bem na nosso quarteirão, que nem luz faltou milagrosamente.

Então é isso gente, essa foi minha experiência de estar no meio do furacão. Tá bem, não tão no meio  assim, mas foi bem tenso. Mais preocupada mesmo com o povo que estava em NY. Toda hora ligava pra saber se todo mundo estava bem. Não quero nem imaginar como deve ter sido com o Katrina em New Orleans.

Então tá gente,

encerro aqui minha brve carreira de correspondente internacional,

Beijos pra quem fica!!

Ps.: imagem tirada daqui!

A Estrada que leva a Connecticut

Palmas pra mim que pela primeira vez escreveu Connecticut sem colar no google #TodasComemoram

Como eu expliquei pra vocês, quando eu faço esse percurso NY – Connecticut, eu programo o GPS pra evitar as Highways. Highways pra quem não sabe, são estradas que cortam cidades com maior movimentação de carros e normalmente o speed limit fica superior a 45 m/h.

É comum que as Au Pairs sejam meio que proibidas de andar pelas Highways, eu mesma não posso pegar uma. E nem ir pra grandes cidades de carro. Principalmente em começo de carreira, já que cheguei aqui tem pouco mais de 1 mês.

Acontece que nossos fofos ficam realmente preocupados com nós transitando por essas vias expressas. Com o tempo essa regrinha de não highway pode cair (ou não :P).

Life is a highway
I want to ride it all night long
If you’re going my way
I want to drive it all night long

O que isso acarreta: que tu leva um tempão pra chegar no destino e sempre seguindo por umas estradas sinuosas e cheia de curvas. Chega a ser engraçado, a primeira vez que entrei numa dessas, achei que meu GPS tava ficando louco. Juro que eu tenho mais medo dessas estradinhas do que das highways.

No meio de uma dessas eu encontrei uma casa abandonada no meio de uma floresta, praticamente. Juro que alí é um cenário perfeito pra ser filmado “A Bruxa de Blair 3”. Até parei pra tirar foto. É assustador, imagina passar ali sozinho e a noite, porque poste não tem.

Eu fiz um video (pra variar) do caminho e na sequência tem foto da casa abandonada assustadora.

a casa abandonada no meio do nada

Beijos pra quem fica!!

Um pulinho em Connecticut

Dia desses minha fofa me avisou que eu teria que levar a mais velha pra aulas de natação no Estado vizinho porque um super mega foda treinador estaria lá pra treinar a garotada. Beleza, com GPS devidamente ajustado para evitar as Highways coloquei o pé na estrada.

Pois qual não foi bem minha surpresa um dia que ela falou, tá mas hoje você vai ter que levar e buscar, mas é melhor você ficar por lá, porque né, é muito tempo dirigindo não compensa ir e voltar e depois ir e voltar de novo (economiza na gasolina mas fode com o pião aqui).

Eu que não iria ficar 3 horas assistindo um bando de pré-adolescentes nadando pra cá e pra lá, né? Apesar do lugar ser super legal, com direito a Wifi e massagem de graça, arrumei minhas trouxas, com câmera devidamente carregada, parti pra explorar a cidade porque eu nunca ía deixar de perder essa oportunidade.

um lugar com Mercedes estacionadas assim, tá bom né?!

A cidade é a Greenwich, fica no estado de Connecticut (mas alguém acha esse nome engraçado ou sou só eu?), coladinho com o estado de NY. Dirigindo evitando as Highways eu levo 45 min, numa highway o tempo deve ser bem menor. Eu pego as estradas mais escrotas ever pra chegar lá, mas abafemos isso.

Greenwich Ave

Preparem-se para um post recheado de fotos. Eu não estou em nenhuma delas  porque minha habilidade pra tirar foto de mim mesma é zero. Então fiquei de turista lá mesmo clicando tudo que julgava ser interessante.

em outro ângulo

Como tinha caído de para-quedas nesse “passeio” eu fui andando aleatoriamente mesmo pela cidade (a falta que faz um Iphone nessas horas). Sabia que tinha um museu mas não consegui chegar nele.

esqueci de anotar que igreja era essa e o nome #sorry

Anda daqui anda dali, descobri uma rua aonde tem várias lojas badaladas (e claro nenhuma para o meu bico), tipo Ralph Lauren, Sacks 5th Ave e até uma Tyfani co eu achei. Lojas essas que pra mim são tipo museus pois olho as peças lá expostas e não posso levar nadica pra casa 😛

nem me atrevi a entrar

varias pessoas saindo com suas sacolas e eu lá só babando

Essa é a Greenwich Ave a rua que passei mas tempo mesmo. E quando cansei fui atrás de uma Starbucks que aqui tem em qualquer lugar. E depois parei num parque whatever pra pensar um pouco na vida 😛

a única foto que comprova que eu estava lá

Uma das coisas que adorei nessa cidade foi poder ver gente da minha idade. Porque nos subúrbios aonde nós Au Pair moramos só tem velhos, crianças e adolescentes. Jovens mesmo não tem porque eles já saíram de casa e estão na faculdade tentando a vida. Foi ótimo não esbarrar com fofaiada pra cima e pra baixo, pra vairiar 😛

não faço idéia de quem seja essa pessoa que saiu na minha foto

Essa rua ficava atrás e fui lá só de curiosidade mas não tinha muito mais além disso.

rua whatever de Greenwich

Essa livraria me lembrou aquela do filme Mensagem pra Você, ela toda aconchegante, sabe? A dona da livraria é uma figura, usava um saião e um chapelão com uma flor rosa gigantes. Impossível ignorar.

numa dessas portinhas fica a livraria

Lugar bonito. Infelizmente fui na pressa e sem preparamento nenhum, então foi tudo muito aleatório. Espero um dia poder voltar com mais calma pra poder explorar a região melhor.

loja super cara no Brasil mas achei cara aqui também #AuPoor

E pra quem acha que eu tive um mega dia de compras, pois bem isso aí foi tudo que adquiri nesse dia. Um apontador de lapis de olho da Sephora, e me custou a bagatela de 3 dolares. Fiquei até com vergonha de mim mesma quando a caixa de cabelo raspado azul e cheia de piercing virou pra mim e perguntou: mas alguma coisa? Vou deixar pra fazer as comprinhas no GAP outro dia ( I wish :P).

minha única aquisição do dia

Queria muito contar pra vocês a história do lugar e fatos interessantes e tal mas né, não tive como pesquisar nada. E achei que ficaria muito feio dar um Ctrl C – Crtl V na Wkipedia e colocar aqui 😛

Beijos pra quem fica!!

Recado express

Olá gente!!

Tô bem, tô viva aqui em Verm0nt mas sem internet (nada pode ser fácil né?). Passando pra deixar o ar da minha graça, e pra avisar que a casa que estamos instalados não tem internet. Tô me sentindo na idade das pedras.

Achei uma livraria aqui que tem Wifi mas não sei qual será minha frequência por aqui durante essas minhas duas semanas em Vermont.

Então o blog pode ficar meio paradinho nesse meio tempo. Eu até tenho alguns post semi-prontos e se eu consegui voltar aqui vou soltando eles.

Também pra avisar que estou amando ler os feedbacks de vocês, tô deixando tudo anotado. E aí, quando voltar já vou estar com bastante idéia para postar também.

Mas podem continuar com a colaboração, porque quanto mais melhor, né?! Pra quem não lei, o post qie eu mendigo por feedback é este aqui, vai lá e deixe a sua contribuição #CriançaEsperançaFeelings

Espero conseguir passar aqui brevemente.

Beijocas de Vermont pra quem fica!!

Diga tchau Dani

Tchau Dani 😦

Pois é, mal fiz um mês aqui e tive que dar tchau pra tanta gente legal que conheci. Entre essas pessoas eu falei da Débora aqui. Também hoje minha outra mais nova melhor amiga de infância tá indo embora pra terrinha e eu nem tô lá pra me despedir (Crap Vermont)#mimimi

A Dani foi outra que estava lá por mim o tempo todo, aturou algumas frescurites crises minhas ( como na vez que fiquei presa do lado de fora da casa e ela veio me resgatar), me ensinou a dirigir pelas cidades, os caminhos (mais eficiente que um GPS), alias me ajudou a decifrar o GPS (porque né, eu via uma seta e virava na primeira rua que apontava :P), me mostrou os points daqui, me ajudou a mexer no meu carro, programou as radios, me ensinou a virar frentista colocar gasolina mas o principal, tivemos bons momentos de risadas juntas.

Vez ou outra a Dani é mencionada aqui não é atoa, não passávamos um dia sem se esbarrar e esse tipo de parceria que você faz no começo é super importante. Pelo menos pra mim foi assim, te ajuda a formar vínculo com sua nova morada.

Dani tchuca, faça uma boa viagem um bom retorno ao país de origem e tudo de bom nesse recomeço. Muito obrigada por tudo!

E pra encerrar, um dos nossos momentos incônicos no carro, soltando o gogó. Coitado de quem estava no carro do lado.

“I’m coming home
I’m coming home
Tell the World I’m coming home
Let the rain wash away all the pain of yesterday
I know my kingdom awaits and they’ve forgiven my mistakes
I’m coming home, I’m coming home
Tell the World that I’m coming”

Beijos para Dani e pra quem fica!!

Ps.: cantamos muuuuuito 😛

Pedido ao leitores

Então pessoas queridas que acompanham esse blog, amanhã estou partindo pra Vermont com minha fofaiada e não faço a menor idéia de como será a conexão por lá, alias nem sei se terei internet.

Meu computador, óbvio, estará comigo e claro que se eu avistar uma Starbucks correrei para ela se tempo eu tiver (bateu um espirito Yoda agora) para postar as novidades.

Tenho muito material legal pra soltar, e idéias de post também. Como não sei se o blog vai ficar parado ou não nessas duas semanas vou deixar aqui um pedido pra vocês. Vou até mudar de paragrafo pra poder fazer um mistério 😛

Então, tenho várias idéias para post aqui mas gostaria de saber de vocês assíduos leitores (mas pode ser você também que caiu aqui de para-quedas pela primeira vez) o que que vocês preferem ver aqui.

Que tipo de post vocês gostam mais: de dicas, post grandes, pequenos, com foto grandes, menores. Com muitas fotos com poucas fotos.  Com vídeos ou sem vídeos.

Pois é, gostaria de pedir um minuto da sua atenção, eu poderia está roubando mas estou aqui humildemente pedindo o seu feedback. Quem estiver afim de colaborar é só deixar a opinião nos comentários. Pode aproveitar também para dar sugestão de post, se tem alguma coisa específica que gostaria de saber, ou de ver por aqui.

Eu vou tentar canalizar as respostas de vocês e tentar transformar tudo em conteúdo para o blog. Porque eu até fico aqui pipocando de idéias, mas né, depois de um tempo aqui nos states, eu já perco a noção do que fica interessante postar ou não.

E é aí que entra a ajuda de vocês. Tô pedindo muito? Nem tô, né?! Então, larga aí 1 minutinho do seu tempo e deixa sua contribuição pra mim, ok?!

Por favor gente, não me deixem com carão sem comentário nenhum né? Eu sei que o blog nem é tão badalado assim, mas pô se as 16 pessoas que subscreveram o blog participarem já não vai fazer feio.

Falando nisso: fica aqui o meu muito obrigado as pessoas (todas as 16) que subscreveram o Right Track e recebem as atualizações direto na caixa de e-mail. Mesmo não tendo certeza se vocês lêem todas as besteiras que eu coloco aqui, obrigada mesmo assim!

Gente, bom final de semana para todo mundo e bora colaborar 🙂

Se eu não aparecer em duas semanas, é porque fiquei stuck em crap  Vermont sem internet, mas volto com muitas novidades (bem amigos da rede Globo…)

Beijos pra quem fica!!

It’s all about shopping, baby!!

Não tem como não falar de Estados Unidos e não falar de compras, certo?! É a coisa que a auperizada mais fala e faz. Te bate a looouca aqui porque você olha os preços daquelas coisas super chiquetê e que se fosse no pais de origem nem passaria perto da vitrine, e veja só, você Au Poor pode comprar.

Mas lembrando que você não é a rica, e que portanto tem que saber o lugar certo pra comprar. Por exemplo, todas as pessoas que conheci que visitaram os EUA de turismo disseram que a Macy’s era o lugar. Cheguei aqui e descobri que não é! Macy’s é lugar de turista, Au Pair mesmo faz suas comprinhas na TJ MAXX (por exemplo).

TJ MAX em toda sua glória

A TJ MAXX é o paraíso na terra. É uma loja, acho que nem chega a ser outlet, com várias roupas de marcas com preço muito mais em conta. Pra ter uma noção, achei um babyliss da Revlon por 6 doletas, sem taxas. Mas fica tranquilo que as taxas aqui são super justas..

zoom na lindona

Assim de começo você pode achar a TJ MAXX meio confusa, porque é uma caralhada de araras com um monte de roupas trepadas uma nas outras, tem que ter um pouco de paciência pra cavucar (eu vou cavucar) entre as roupas. Depois que você ultrapassa essa barreira, da preguiça de ficar fuçando entre araras, aí minha filha é só correr para o abraço.

Eu sei que é feio falar de preço, mas foi tão baratinho que vou até dizer: paguei 16 doletas numa calça jeans da American Eagle, só pra vocês terem uma noção. Também vi calça Tomy por vintão. Uma loucura!

essa foi devidamente arrematada

Aproveitei também e comprei umas coisinhas pra dar uma organizada no quarto, como essa pendurador de joias bijuterias aí. Sempre quis um mas achava os preços muito absurdo na terrinha. Aqui rolou o/

Organizador de penduricalho a direita, e baldinho que usei pra depositar as maquiagens

Depois de comprar roupas, vamos para os sapatos. Como ainda não sou nenhuma Carrie Bradshaw para jogar fora investir 500 dolares num par de Manolo Blanick, eu vou na Marshalls que é outro paraíso, mas dessa vez só das bolsas e sapatos.

Coisa linda que é gente. Achei uma Ugg (bota feia mas super necessária para o inverno) por 60 dolares, e tinha achado super caro. Não levei. Cheguei em casa e perguntei pras meninas sobre o preço médio de uma Ugg e a resposta: 200 Obamas. E eu WHAAAAt?!

Conclusão: tô esperando voltar lá pra arrematar minha Ugg. Vamos torcer para que ela vai esteja lá linda e rosa me esperando.

Tem também vários óculos e perfumes, sério você vai ficar a looouca. E pra melhorar vai na sessão de Clearance, lá ainda é a promoção da promoção.

Aqui os sales não são miseráveis que nem no Brasil não. Você chega a achar peça com 75%, 80% de desconto. Dá vontade de levar tudo pra casa. Até coisa que não vou usar da vontade de comprar 😛

Outra opção é a Target, é tipo um Wallmart, meio super mercado, meio Lojas Americanas, sabe qualé?! Tem de tudo, desde roupas a comida de cachorro. Foi lá que arrematei meu sacador de cabelo e minha pranchinha, porque né, são necessidades básicas (apesar de nunca eu ter tempo de usar).

meninos não vomitem 😛

Não é a toa que vi meninas voltando para o pais de origem com quatro, cinco, seis malas pra despachar. Fora as caixas que vão pelo correio, porque né, quando é que você poderia fazer uma coleção de baton M.A.C.?!

Para o público masculino do blog (os três que me acompanham) eletrônico também é o paraíso. Claro que para um salário de Au Pair também fica puxado, mas se organizando dá pra adquirir video games, computador, Ipad e por aí vai. Não dá pra levar tudo (a não ser que você não saia pra nada = tiro na nuca), mas dá pra sonhar sim gente, e se planejar direito dá até pra levar (tá melhor que na terrinha que nem sonhar podia).

A armadilha está justamente nisso, a pessoa compra tanto que nem presta atenção pra onde o dinheiro esta indo. Porque como é tudo barato, você fica com vontade de levar 10  regatas iguais, cada uma de uma cor, mesmo sabendo que mês que vem o verão vai embora e elas vão ficar todas lindas e encostadas.

Outra dica: mão esqueça que a taxa é incluída depois. O preço da etiqueta não está incluindo a taxa, essa parcela para o governo que nós brasileiros conhecemos muito bem, aqui a gente só descobre na hora de pagar.

Calma brasileirada aflitas, aqui a taxa é mega justa, você não se sente roubada. É quase o troco do pão (e olha que o imposto de Estado de NY é um dos mais caro, mas se você tiver em Minessota, tá feito :P). E olha que coisa linda, você sabe o quanto tá pagando de imposto diferente em certos países que você não tem menor noção do imposto contido em determinado produto/serviço.

Olha aí a felicidade da Dani depois de um dia de compras

Como chegar: TJ MAXX, só seguir a 133 Road forever, ela é um circulo, sabe, seguindo essa Road você desemboca lá. E é gigante, nem dá pra perder. MARSHALLS SHOE SHOP: fica na 711 Bedford Road. Saindo da 133 Road, segue como quem vai pra TARGET.

Beijo pra quem fica!!

Ps.: pena que me bateu um cagaço de tirar foto por dentro pra vocês verem. Fiquei  com medo de levar um esporro. Próxima vez vou ver se crio um par de bolas e tomo coragem pra fotografar as escondidas, é claro 😛

Pondo ordem na bagunça

Casa de americano é muito engraçada, é tudo muito exagerado, sabe?! Os potes aqui são tudo tamanho ignorante, sabe qualé?! Juro pra vocês que no começo ficava com braço dolorido e adivinham porquê?! De fazer a laundry das minhas Kids.

1ª vez que fiz esse Ketchup eu assustei

Mas como assim Luna, você tem lavado roupa na mão por aí?! Não, mas o tamanho do pote lá de sabão é tão ignorante, e eu seguro com uma mão só pra medir o tanto na tampa que vai pra maquina, daí fiquei com o braço dolorido. Acreditem se quiserem 😛

Olha o tamanho da criança

Pois é, e com os produtos de limpeza não seria diferente. Existe um tipo diferente de produto para cada necessidade específica. Conclusão: uma porrada de produtos de limpeza que eu não tenho a menor idéia pra que que serve a metade deles. Como eu costumo falar, não sei pra que tudo isso, fala aí que água e sabão não resolve metade dos nosso problemas?

na pia da cozinha

em baixo da pia

Também existe uma “vassoura’ pra cada tipo de sujeira e piso. Vassoura, vassoura mesmo eu não uso, uso um treco que a gente aqui chama de Sweeper, e que é a bateria. Você coloca uma flanelinha cheirosa e (essa parada verde aí), liga e vai passando e limpado e meio aspirando também (mas ainda acho que é aquela limpeza só pra inglês ver).

usei uma vez só e achei complicado demais e muito barulhento

o verde é o Sweeper e o vermelho que faz as vezes de esfregão

E depois de usar o Sweeper eu uso essa parada vermelha que é tipo um esfregão. Você coloca uma outra tipo de flanela (não é bem isso) e aperta um botão, ele espirra o produto também com cheiro (que ainda não descobri se gosto) no chão, dai você passa em cima e voialá!

Eu não acho que essas coisas limpem bem, mas é pratico pra caceta então tá bom. A faxina da minha mãe dá de dez a zero e ela não precisa dessas produtaiadas todas, mas deixa quieto porque aí é menos trabalho pra mim.

Fora que também tem o aspirador para o carpete e o aspirador para piso comum. Nossa, gente vassoura!! Olha que invenção de outro mundo, gente!! Vamos apresentar pra essa galera?!

Os produtos funcionam tipo, um pra pia, outro fogão, outro para os espelhos, outro para o balcão da pia, outro sei lá mais pra quê e assim vai. Eu ainda não decorei para que que serve cada um, só os vinte (exagerada, quem eu?! magiiina) que eu mais uso.

mais produtaiada

e mais ainda

Pra terminar, mais umvídeo ( vocês ainda tem paciência pra isso?) mostrando como funciona o trambolho aspirador daqui.  Mas qualé da dificuldade? Bom, pra começar os aspiradores daqui nem tem filtro, eles são iguais aqueles da Senhora Incrível (que eu procurei imagem e não achei de jeito nenhum, então vá ver o filme :P).

preguiça eterna de mexer nesse aspirador trambolhudo

Funciona assim, você colocar o rabo do aspirador em um dos buracos que ficam pela casa inteira e até hoje eu me pergunto pra onde a sujeira vai.

Considerações do filme: 

– eu mandei maior frase solta no vídeo (“dai você enfia o treco no buraco” que eu podia ter evitado :P). Até queria legendar mas minhas parcas habilidade em edição não permitiu tal proeza.

– não reparem nem desistam do vídeo pelo fato de que eu fiquei duas horas pra enfiar a tomada lá do bicho. É por causa dos protetores nas tomadas pra não deixar as fofinhas enfiarem o dedão. Tenham só um pouco de paciência e fé que eu consigo ligar a tomada, viu?!

– o vídeo termina meio que do nada. Liga não. Vou me esforçar em edição e , quem sabe eu não fique igual ao Anderson Gaveta (sonhar, não custa nada…).

            Beijos pra quem fica!

I made through my first month o/

Um mês, já?!

Pois é, contando com a semana do treinamento tem 1 mês que eu tô aqui. Já posso começar a filosofar da vida, do universo e tudo mais?!

Um mês só e tô me sentindo 10 anos mais velhas, impressionante como a intensidade dessa experiência faz a gente se sentir assim, tão diferente. Certeza que eu estou aqui me conhecendo muito mais, e muito mais aware do que sou capaz de fazer (não tô bêbada apesar da filosofia de botequim foda sendo vomitada).

Umas coisinhas que aprendi nesse mês:

– que eu tenho uma capacidade de adaptação incrível. Até a comida não foi tão ruim assim de engolir (literalmente).

– que eu sou uma excelente companhia pra mim mesma. Eu nunca gostei de fazer as coisas sozinha, mas o trabalho de Au Pair pode ser bem solitário as vezes. E no começo a sua vida social não é assim tão agitada. Eu descobri que sou uma pessoa bem legal pra passar o tempo comigo mesma (apesar da internet ajudar bastante :P).

– que eu consigo ser mais paciente quando preciso . Nem tudo precisa ser pra ontem e eu não vou morrer se esperar 2 min para o microondas esquentar a comida.

– que na guerra (drama!) todo mundo vira companheiro. Aqui são as amizades que você tem que vão te segurar. Sabe, no perrengue mesmo, seus amigos aqui vai virar uma grande fraternidade. A gente vive no melhor estilo “um por todos e todos por um.”

– que eu sinto muita saudades dos amigos e principalmente minha família mas eu aguento. A gente aprende a viver com esse aperto no peito que dá as vezes, mas isso não me faria voltar a trás na minha decisão. Hoje posso dizer que moraria até na China 😛 Mas antes daria aquela passadinha na terrinha pra dar aquele abraço quebra-costela na minha família.

– e que salário de Au Pair não dá pra muita coisa. a carteira é praticamente um trampolim, o dinheiro bate e pula pra fora. Aqui tem que rebolar pra fazer quase tudo que você acha que pode fazer (nada de um Ipad por semana). Levando em consideração que estou não só num Estado caro, mas num dos condados mais ricos, aí sobra pro pião aqui né! (Tá, mas ainda não se compara com os preços absurdos do país de origem não)

Tá bom, né?! Em um mês não dá pra ficar tão mais sábia que isso. Mas eu olho aquela menina desanimada da faculdade que decidiu ser Au Pair da noite para o dia, nossa parece que foi ontem que eu estava lá toda entediada fazendo aulas teóricas de direção focando pra ser Au Pair. E olha só, aqui estou eu, limpando bunda de criança (mentira as minhas são todas grandes :P), quanto orgulho!

Mudando de assunto :

Antes de vir pra cá eu fiz um post conjecturando sobre coisas que iria sentir falta e não vou sentir falta. Pois é, agora já posso falar com propriedades que sinto falta de:

camelô. Na boa, eu tenho muita alma de fudido mesmo. Eu não nasci pra morar em bairro chique minha gente, porque bate vontade de devorar um chocolate e o que que eu faço? Nada, chupo dedo. Porque não vou sair pro “centro” da cidade pra comprar mísero chocolate. Camelô era um super life-saver, era só ir na esquina de casa e pronto, meus problemas estavam resolvidos.

andar a pé e poder esbarrar com as pessoas. Quando me falavam isso eu achava um exagero, mas não é! Deem crédito pra mim quando digo, aqui você não faz nada sem carro. Juro  que dependendo de onde você mora e até da sua driveaway, nem suas correspondências você pega sem carro. Aí é um porre, porque tem ficar caçando vaga toda hora que os planos mudam. Não que não tenha vaga, claro que tem em tudo que é lugar, mas tem que pagar. Eu quero uma que seja de graça e que de quebra não tenha uma multa lá enfeitando meu carro, porque né, sou Au Pair e isso explica tudo.

– me sentir confortável na minha própria casa. Morar na casa dos outros é foda, você nunca pode ficar a vontade, tipo entrar e já sair arrancando a roupa,por exemplo. Ou trazer a galera pra fazer reunião a qualquer tempo, colocar o copo do jeito que você bem entende. Só a sensação de tá incomodando então tipo sair sem achar que vai incomodar o morador quando você chegar 9garagem barulhenta da porra). Vou sentir um alívio quando puder voltar a fazer as coisas do meu jeito 🙂

É isso que tenho pra falar dessa data comemorativa, meu povo. Obrigada a todas as mensagens que recebo, fico muito feliz em saber que estão gostando do blog. Obrigada pelos coments também e até pelos comentários corrigindo uma burrice qualquer que tenha eu soltado.

Mas mais que nunca, obrigada a todo mundo que me ajudou a segurar a barra e me ajudou nessa minha na adaptação. Não sei o que seria sem vocês (já me sentindo na entrega do Oscar, cadê meu Prada?).

Só faltou o: beijos pra minha mãe, pro meu pai e especialmente pra vocês 😛

Para fechar o post, deixo aqui um vídeo de um dos momentos com as meninas mais animadas, estavamos nos esbaldando ao som de “Give me Everything” que virou nosso hino aqui. Como diria a Débora, um momento bem toxa!

       Beijo pra quem fica!

Ps.: Reparem (se conseguirem porque o video tá meio escuro)só na animação e preparação pra falar o “Grab somebody sexy tell’em hey!” 😛

Ps2.: eu não apareço não,  pra variar eu sou a looouca da filmagem, tô sempre gravando. Mas minha voz rouca de pato tá lá firme e forte.

Ps3.: Muito feliz pelo seu match Lais zinano!! See you soon in NY!! =D

Previous Older Entries

Indique o seu endereço de email para subscrever este blog e receber notificações de novos posts por email.

Junte-se a 38 outros seguidores